ansiedade,

falta de ar

segunda-feira, novembro 19, 2018 sarita bruta 0 Comments


- o que você está sentindo?
- falta de ar.
- você pode descrever como é essa falta de ar?
- meu coração bate forte, sinto um nó no peito, estou sempre ofegante como se estivesse correndo o tempo todo. não consigo descansar e respirar por vezes é difícil.
- vamos fazer os exames mas não acho que seja um problema cardiológico. como foi a sua semana?
- (um suspiro profundo)
- eu vou te passar uns remédios enquanto aguardamos o resultado dos exames, mas se você quiser falar estou todo a ouvidos.
- eu me apaixonei de novo, é só isso.
- e isso é ruim?
- quando a pessoa não se apaixona de volta, é!
- entendi. você tem um ponto. inevitavelmente acontece com todos nós. você vai se sentir melhor quando tomar os remédios.
- não. o meu corpo vai ter a ilusão química de que está bem. mas meu coração continuará em dor por nunca ter recebido amor.
fiquei sem reação porque, querendo ou não, ela estava contando a história da minha vida. e, apesar de pensarmos o contrário, dar conselho sobre o que a gente mesmo sofre é o pior possível.
- nós temos uma ótima psicóloga aqui na casa, o que você acha de marcar uma consulta com ela também? fala com kátia na recepção que ela agenda pra você.
- qual o sentido de viver num mundo que você tenha que fazer tantos tratamentos pra aguentar continuar?
eu queria responder que eu também não sei e que eu também não estava aguentando continuar mesmo com todos os remédios e tratamentos. mas simplesmente falei o esperado.
- você acredita em deus?
ela me sorriu ironicamente. - obrigada, doutor. - e saiu insatisfeita da minha sala deixando a porta entreaberta. odeio quando deixam a porta entreaberta.
me senti mais inútil do que nunca. não conseguia cuidar de mim, dos meus pacientes, da minha família, do mundo. talvez o sentido de viver aqui não fosse o de cuidar de nada nem de ninguém. em contrapartida, também não consigo achar um objetivo melhor. mas sigo em frente quimicamente, com o coração cheio de dor.

sarita bruta







0 Comentários: