desabafos,

procura-se vulneráveis (ou meramente humanos)

sábado, março 31, 2018 Brutamor 1 Comments


eu não sei você, mas eu peguei uma fase em que as pessoas demonstravam o que sentiam.

era normal, sabe? mesmo que não fosse recíproco, era ok você gostar de uma pessoa sem ser correspondido. você podia até ser zuado, ficar com raiva e tal, mas ninguém tinha vergonha de sentir.

não tinha nenhum problema você gostar de uma pessoa por vários anos e nesse meio tempo sentir dor, raiva, mágoa e, é claro, felicidade, paixão e loucura. hoje quem sente demais é infantil, não sabe lidar com as emoções.

ninguém deixou de sentir, mas todo mundo começou a se mascarar. porque ser intenso é feio, incomoda, perturba o ambiente.

nessa busca incessante pelo desapego, fomos nos tornando pessoas extremamente monótonas. se eu não tenho apego, nada nem ninguém mais vale tanto, eu posso "deixa fluir".

e aí a gente vai deixando tudo rolar como @deus quer e não se esforça por coisa alguma. é proibido demonstrar que quer muito uma coisa porque significa que você tá muito afetado. então, ou você se afeta escondido, ou nem faz a coisa pra não correr o risco de ser julgado.

e o que eu quero dizer com tudo isso é que tá chato. eu tô de saco cheio. tô cansada dessa pacificidade o tempo todo, de um monte de gente que fica em cima do muro e posa de equilibrado. desse povo que tem vergonha de sentir, de dizer o que quer, como quer, de declarar que gosta, que sente falta, que quer ver, fazer e acontecer.

e, principalmente, cansada de me privar de ser intensa pra não destoar. eu gosto de quem se mostra, se posiciona, diz a que veio, não se constrange em ser vulnerável! então por quê irei limitar isso em mim? não tem o menor sentido.

tenho saudades de pessoas dispostas, que se empolgavam pra ir num lugar só por uma boa  conversa jogada fora com você. hoje eu só vejo pessoas jogarem na sua cara o quanto elas sempre tem coisas melhores pra fazer (netflix, cof cof) do que estar/falar contigo.

é toda uma disputa sobre quem é mais autossuficiente e superficial, que faz pena.

eu ainda fico com a minha inconveniente dose de intensidade.

sarita bruta





Um comentário: