amor,

a falta

sexta-feira, dezembro 15, 2017 sarita bruta 0 Comments


amor da vida
são tantas as poesias
que na escrita
não cabe nem mais uma esquina

amor da vida
de longe, não vejo pistas
são tantos crimes
pra mais do que qualquer prisão

nunca vi igual à tamanha bruxaria
capa de jornal, na frente de tanta mentira

amor da vida
são tantas as despedidas
que na ferida
já cabem mais de mil avenidas
ô, pitunisa
faz frio nessa chuva fina
to batendo na tua porta
mas penso, já teres companhia

nunca vi igual, um tanto surreal
ainda achar banal, ou até, que pra mim tanto faz

o amor é estranho
a falta mata, cala
e ainda há chama
o amor é estranho
a falta mata, cala
e ainda te chama

brasa rara, clara, raia sob o luar
sussurro curto, urro fundo
surto, murro o escuro
tem vezes em que ele não tem vez

marco azevedo




0 Comentários: